Skip links

Eficiência operacional e FoMO: o que fazer?

Share

Esta década que chega ao fim foi marcada por importantes mudanças, em especial por causa dos grandes avanços tecnológicos e pelo impacto que as redes sociais causaram na forma como consumimos informação e nos comunicamos.

Contudo, com essas mudanças vieram alguns problemas, como o senso de urgência que as pessoas têm em se manterem inteiradas sobre tudo o que está acontecendo o tempo inteiro.

O nome dessa síndrome é FoMO e ela tem afetado a produtividade dos colaboradores no trabalho, reduzindo a eficiência operacional. Se você tem enfrentado esse problema em sua empresa, continue acompanhando a leitura do artigo para saber o que fazer diante desse cenário!

O que é FoMO?

Dan Herman citou o termo Fear of Missing Out (FoMo) pela primeira vez no ano 2000, mas sua definição mais exata foi dada anos depois por Patrick McGinis e Przybylski, como uma espécie de fobia de que outras pessoas tenham experiências positivas que você não tem.

A síndrome se estende um pouco além disso, abrangendo também a necessidade de estarmos conectados constantemente para saber de tudo que está acontecendo e compartilharmos novidades com outros usuários.

A causa dessa angústia social está principalmente ligada ao fato de que a forma como as pessoas lidam com a tecnologia ainda é muito nova e imatura. Outros pontos que têm incentivado reações como o FoMO é o comportamento ostensivo que ocorre nas redes sociais, onde os usuários publicam realizações e momentos de alegria, além dos slogans publicitários como “você não pode perder”.

Entre os principais sintomas que pessoas com FoMo manifestam, podemos citar:

  • usar o smartphone o tempo todo, mesmo enquanto dirige, durante o trabalho e enquanto faz as refeições;
  • dedicar muito tempo às redes sociais, atualizando constantemente o feed de notícias;
  • sentir inferioridade ou inveja, fazendo comparações frequentes com outras pessoas das redes sociais;
  • não viver o momento e ficar se preocupando em tirar fotos para postar nas redes sociais;
  • estar frequentemente com irritabilidade fácil, de mau humor e preferir estar sozinho;
  • aceitar propostas para todos os eventos e festas por receio de se sentir excluído ou perdendo alguma coisa;
  • redução da produtividade no trabalho ou nos estudos.

Em estágios mais avançados, a FoMo pode despertar crises de ansiedade e, até mesmo, depressão.

Como a FOMO impacta na eficiência operacional?

Eficiência operacional é a capacidade de desempenhar uma determinada atividade, trabalho ou função de maneira competente, precisa e funcional. Em outras palavras, é a habilidade de contribuir com a obtenção de um resultado desejado. No contexto corporativo, eficiência operacional está relacionada ao nível de performance que os colaboradores são capazes de atingir.

No decorrer dos últimos anos, dois fatores importantes passaram a influenciar o ambiente de trabalho nas empresas: a popularização do acesso à internet e a facilidade de adquirir smartphones. Ou seja, qualquer pessoa pode se manter conectada o tempo inteiro, não importa onde esteja.

Por mais que as empresas estabeleçam políticas internas que proíbam o uso de dispositivos eletrônicos durante o expediente, a FoMO faz com que os colaboradores não foquem sua atenção integralmente ao trabalho — seja pela ansiedade enquanto pensam no dispositivo, seja pela falta de foco — o que abre uma grande margem para falhas humanas, baixo rendimento e retrabalho.

Você já deve ter entrado em um estabelecimento no qual foi mal atendido por um funcionário que estava mexendo no celular, não é verdade? Pois bem, esse é um caso cada vez mais comum de ineficiência operacional causada pela FoMO. Infelizmente, esse tipo de problema se estende para os mais diversos departamentos das empresas e afetam os resultados em variados níveis.

Como otimizar a eficiência operacional?

Agora que você já tem uma perspectiva mais ampla sobre o assunto, mostraremos algumas boas práticas para aumentar a eficiência operacional na empresa.

Reformule a estrutura dos processos

Se você tem notado perda de produtividade no ambiente de trabalho, um dos motivos pelos quais isso está acontecendo — além da FoMO — pode ser a obsolescência dos processos operacionais.

Tanto as políticas internas quanto as ferramentas que são disponibilizadas para os funcionários realizarem suas funções, devem ser revisadas. O fato é que se a equipe não pode contar com o que é necessário para desempenhar suas responsabilidades, a tendência é que os impactos negativos comecem a se refletir nos resultados.

Tenha em mente quais são as prioridades da empresa e o que ela necessita para funcionar. Por exemplo, quando uma venda é realizada no PDV e o produto retirado do estoque, você sabe dizer se o inventário é atualizado automaticamente por um sistema tecnológico ou se isso é anotado em planilhas?

Se o processo ainda é feito manualmente, esse pode ser um dos motivos pelos quais o seu time de colaboradores não atinge a eficiência operacional.

Estabeleça metas

Metas são como parâmetros que os colaboradores devem se guiar para que atinjam determinados objetivos dentro da empresa. Elas podem ser estabelecidas tanto para o setor de vendas, em números alcançáveis, quanto para outros departamentos em quantidade/qualidade de tarefas executadas.

Além disso, as metas ajudam os funcionários a se manterem focados e mais produtivos. Lembrando, é claro, que para evitar a desmotivação da equipe e um ambiente de trabalho tóxico, é importante determinar metas realistas de acordo com o padrão do mercado que o negócio atua.

Implemente tecnologia

A presença da tecnologia no cotidiano corporativo é uma das principais formas de contornar os problemas gerados pela FoMO e alcançar um nível satisfatório de eficiência operacional. Isso se deve ao fato de que a atual geração de profissionais está muito acostumada a utilizar recursos tecnológicos para resolver questões de seu dia a dia e, no ambiente de trabalho, não deve ser diferente.

Atualmente, existem softwares e sistemas desenvolvidos sob medida para atender às mais variadas necessidades das empresas. Por exemplo, o uso de robôs de atendimento, guiados por inteligência artificial, são capazes de realizar os primeiros níveis de interação com o cliente, sanando dúvidas básicas e, até mesmo, executando pedidos. Isso é ótimo porque permite que os funcionários foquem em atividades mais estratégicas e importantes para o negócio.

Como você pôde contemplar neste conteúdo, a eficiência operacional tem sido comprometida por conta da síndrome que as pessoas têm em se manterem conectadas à internet o tempo inteiro. Contudo, é possível reverter essa realidade ao implementar políticas mais modernas e oferecer as ferramentas necessárias para que a equipe realize suas funções adequadamente.

Gostou deste artigo? Então siga a nossa página no Facebook para acompanhar todas as postagens semanais!

Return to top of page
× Fale conosco :)